O guia completo do armário cápsula

Às vezes chega um momento da vida em que nos deparamos com tantos itens à nossa volta, que passam a não fazer mais sentido. Um objeto de decoração aqui, um livro acolá e voilá: a casa está simplesmente lotada de coisas que não usamos com a frequência que deveríamos ou precisamos. O mesmo ocorre na moda: a mudança de estações e tendências faz com que novas peças entrem no topo da lista de desejos e não nos damos conta que aquela compra desenfreada pode virar acúmulo. Ao longo dos anos, as pessoas têm olhado ao redor e se dado conta das atitudes inconsequentes causadas pelo consumo excessivo. Pensando nisso, nós trouxemos um guia completo sobre o já famoso “Armário Cápsula”.

O conceito criado pela estilista Susie Faux na década de 1970 conversa com o modo de vida minimalista, onde só armazenamos o que é necessário e que, naturalmente, está de acordo com a nossa personalidade. Em 1985, a ideia foi reforçada pela também estilista Donna Karan, quando decidiu lançar uma coleção com apenas sete peças que se complementavam. Mais recentemente, a técnica virou um fenômeno na internet quando blogs como Um Ano sem Zara e Caroline Joy mostraram como o armário cápsula pode ser aplicado de diferentes maneiras que, de quebra, vai ao encontro do slow fashion – ele tem a proposta de servir como alternativa que valoriza o lado sustentável, compromisso com o meio ambiente, além da progressão do empreendedorismo, economia e cultura regional.

Algumas dicas:

Como para muitas pessoas pode parecer um momento de transição, isso requer tempo de adaptação até que a prática ocorra de forma espontânea. Você pode, por exemplo, investir em um vestido de qualidade para usar durante determinada estação do ano ao invés de gastar com várias peças em lojas de departamento que têm um período curto de vida útil.

Significado e durabilidade

Uma dica para começar a aderir à ideia, é, sem dúvida, investir em peças com pegada artesanal, que valorizam a mão de obra local e, claro, expressar sua personalidade através do estilo. A fim de deixar tudo organizadinho, podemos pensar antes de tudo na paleta de cores, fugindo do modelo tradicional do armário cápsula de usar apenas tons monocromáticos – até porque, é bastante difícil num país tropical e exclui muitos estilos. Aqui tem outro guia falando sobre os melhores tecidos para se utilizar durante dias mais quentes que você pode levar em conta ao montar sua cápsula de primavera/verão.

Cada cor possui significados distintos que podem influenciar em nossa imagem pessoal, energia e até decifrar o humor do dia. O blog Coisas que Vivi compartilhou um estudo sobre a composição de cores a fim de ajudar na decisão quando for escolher e disponibilizou o círculo cromático criado para representar as cores que o olho humano consegue reproduzir, dividindo entre tons quentes ou frios.

Pois bem. Logo de cara é necessário filtrar as peças que mais usamos diariamente ou aquelas favoritas para ocasiões especiais. Antes de colocar a mão na massa, lembre-se: ter menos roupas não significa se vestir de qualquer jeito ou ficar sem alternativas. Desperte seu lado desapegado e analise o closet com calma: o que você tem usado? O que tem ficado de escanteio? Qual peça eleva mais sua autoestima? E mais: o que é considerado atemporal no mundo da moda? Poá, xadrez e listras, por exemplo, são versáteis o suficiente para serem usadas em qualquer estação. Ao iniciar o detox no closet, pode tomar como dica o método Marie Kondo ao se questionar sobre o que determinada roupa te representa.

Outra observação a ser levada em conta também, é pensar de antemão quais são as atividades do seu dia a dia como trabalho, estudos, exercício físico e o que você faz no tempo livre – isso tudo influencia na hora de selecionar o que vale a pena. Se você passa a maior parte do tempo no trabalho faz mais sentido ter peças para office look ao invés de peças para festas que são utilizadas periodicamente, certo?

Estilo próprio

E a personalidade? Este exercício de desapego pode nos fazer questionar nosso “eu” – a forma como nos comportamos no cotidiano, etc. Procure referências de pessoas com a mesma pegada que você e veja como se vestem de acordo com cada ocasião – o Pinterest e Instagram são boas ferramentas pra isso.

Existe um número ideal de peças?

Quando se fala de quantidade, é primordial levar em consideração a organização. Caso deseje guardar as peças que usará em cada estação, recomendamos adquirir um armário com várias divisões equivalentes para ordenar tudo de maneira harmoniosa que otimize o espaço. O máximo indicado por quem já adere ao “armário cápsula”, é manter no máximo 70 unidades incluindo bolsas e sapatos. Apesar disso, mais importante que um número, o essencial é manter somente aquilo que realmente gosta e usa. Afinal, a quantidade “necessária” varia conforme a pessoa e estilo de vida.

Após se habituar, você terá uma mentalidade diferente na próxima vez que for comprar algo. Verá que vale mais a paz de espírito investir em qualidade ao invés de acumular peças por impulso. Roupas que não serão usadas ou que tem tempo de vida útil menor que precisará de reposição em breve. Assim você nunca mais sentirá frustração por não ter o que vestir, enquanto o armário está cada vez mais abarrotado.

Nós preparamos um guia de planejamento para ajudar a escolher tudo com calma e criteriosamente de acordo com sua personalidade. Acesse o link para baixá-lo 🙂

Compartilhe:
Voltar para Categoria